CATEGORIA : Mato Grosso Saúde
Atividades físicas combatem sedentarismo e ajudam a manter saúde cardíaca

14/08/2021 às 11:39:00

No dia 14 de agosto é comemorado o Dia do Cardiologista e, para celebrar a data, o Mato Grosso Saúde conversou com o cardiologista Max Lima, credenciado ao plano pela Clínica Vida. O especialista alertou que o sedentarismo é um grande vilão da saúde e pode levar ao aumento do peso e doenças como infarto, AVC, diabetes tipo 2 e apneia do sono. A realização de atividades físicas, mesmo que dentro de casa, é fundamental para melhorar a saúde

O médico, que atua em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no combate à Covid-19, alerta que essas comorbidades podem agravar a doença em pacientes. “O risco de hospitalizações foi 32% maior para pessoas fisicamente inativas. O combate a uma doença sobre a qual a ciência ainda conhece pouco requer medidas que defendam nosso corpo. E a atividade física regular pode ser uma aliada”, pontua o médico.

Um estudo divulgado em janeiro de 2021 pela Organização Mundial de Saúde (OMS) confirma que o brasileiro se exercita menos do que deveria. O levantamento aponta que nos últimos 15 anos praticamente metade dos adultos no Brasil não realiza atividades físicas suficientemente.

“Espaços limitados nas residências, o desigual acesso à internet para aulas online e o contato restrito com professores de educação física são alguns dos fatores que justificariam a descontinuidade dos treinos, mas isso pode ser mudado”, pontua o médico.

Sempre é hora de começar

A qualquer momento e independentemente da idade, a adoção de hábitos saudáveis tende a trazer longevidade e qualidade de vida. Quanto maior o nível de atividade física, maior o efeito protetor sobre eventos cardiovasculares e mortalidade. 

Além da melhora na função cardiovascular e imunológica, exercitar-se contribui com a saúde mental, ajudando a reduzir sentimentos como estresse e ansiedade, comuns em tempos de isolamento social. 

Rotina e ritmo de exercícios

Segundo as Diretrizes do Colégio Americano de Medicina Esportiva, para indivíduos saudáveis, são recomendados de 150 a 300 minutos por semana de exercícios aeróbicos, o que dá uma média de 30 a 40 minutos diário, com intensidade moderada, e duas sessões semanais de treinamento de força muscular. Lembrando que iniciantes sempre devem começar por práticas mais leves. 

Para controlar o seu ritmo de forma simples, pense assim: intensidade moderada é quando conseguimos, durante o exercício, conversar construindo frases completas, sem interrompê-las para buscar oxigênio. Já quando a atividade física é intensa, interrompemos seguidamente a fala para tomar fôlego. Mas não se esqueça: qualquer sinal de desconforto como dores no peito, falta de ar e dores articulares, por exemplo, requererem orientação médica.

Dicas de exercícios aeróbicos simples para ambiente interno

- Coloque uma música e ande rapidamente pela casa ou suba e desça as escadas por 10 a 15 minutos, duas ou três vezes ao dia;
- Dance do seu jeito, ao som da sua música favorita;
- Caso não tenha problemas nas articulações, pule corda;
- Utilize esteira ou bicicleta ergométrica, quando disponíveis na residência ou no condomínio;
- Pratique yoga para reduzir a ansiedade. Se ficarmos menos ansiosos, comemos menos também;
- Tarefas cotidianas são excelente alternativa para manter-se fisicamente ativo: varrer a casa, arrumar o jardim, cuidar da horta, lavar louça, arrumar armários e brincar com animais de estimação, entre outras.

Já os exercícios de força devem ser feitos sempre atentando para as limitações (problemas no joelho ou na coluna, por exemplo). Para seguir essa rotina, mesmo sem frequentar um centro de treinamento, é possível baixar aplicativos no celular e acompanhar as dicas oferecidas por professores de educação física. Atenção: busque apenas serviços de profissionais gabaritados.

“A Covid-19 está nos obrigando a repensar hábitos. De certa forma, o momento é propício para ajustarmos rotas, perseverando com novas escolhas saudáveis. O exercício é uma ferramenta para mudarmos a nossa história”, conclui o cardiologista.